A Liberdade de Imprensa está consagrada na Primeira Emenda- Mas o que isso significa mudou

Meninas lendo o Artigo 1, Liberdade de Expressão, durante as cerimónias da Carta dos Direitos que decorrem na Câmara Municipal de Nova Iorque, c. 1938 – Underwood Archives/Getty Images

Meninas lendo o Artigo 1, Liberdade de Expressão, durante as cerimónias da Declaração de Direitos que decorrem na Câmara Municipal de Nova Iorque, c. 1938 Underwood Archives/Getty Images

Por Olivia B. Waxman

Actualizado: 3 de Maio de 2019 12:16 PM ET | Originalmente publicado: 3 de Maio de 2019 11:00 AM EDT

As Nações Unidas reconhecem o dia 3 de Maio como o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, e o tema deste ano é “Media for Democracy, Journalism, and Elections in Times of Disinformation” – uma escolha destinada a encorajar discussões sobre os desafios que a imprensa enfrenta hoje quando se trata de relatar sobre eleições.

Ours não é a primeira era a reconhecer a importância de uma imprensa livre numa democracia funcional. Nos Estados Unidos, esse reconhecimento remonta praticamente ao início, pois a Primeira Emenda à Constituição dos EUA, entre outras garantias, proíbe o Congresso de fazer quaisquer leis “abreviando a liberdade de expressão, ou de imprensa”

Mas o significado dessas palavras evoluiu – e, ao que parece, a ideia moderna de uma imprensa livre é uma inovação mais recente do que parece. Para mais sobre isso, a TIME falou com Lee C. Bollinger, Presidente da Universidade de Columbia e co-editor do recentemente lançado The Free Speech Century, uma antologia de ensaios sobre a Primeira Emenda.

TIME: Porque é que temos a Primeira Emenda?

BOLLINGER: Nas democracias, a ideia é que a soberania cabe aos cidadãos. Para que essa soberania possa ser exercida eficazmente, os cidadãos têm de poder discutir as coisas e fazê-lo livremente sem interferência do governo. Penso que a liberdade de imprensa está intimamente associada a isso, e isso é muito fácil de compreender se se começar com essa premissa. Os cidadãos não podem saber tudo o que precisam de saber sobre o governo e são necessárias instituições dedicadas a tentar informar o povo.

p>O Século da Liberdade de Expressão toma 1919 como ponto de partida. Porquê então?

Só em 1919 é que o Supremo Tribunal ponderou pela primeira vez para dizer o que este direito expresso na Primeira Emenda realmente significa. Por que razão começou então é um dos mistérios e puzzles da história dos EUA e da história da Primeira Emenda. O que sabemos é que na Primeira Guerra Mundial houve um sentimento crescente de patriotismo, como sempre acontece nas guerras, e acompanhá-lo foi um caso realmente sério de intolerância para com qualquer pessoa que discordava. Em 1919, houve vários casos que tinham feito parte desta onda de intolerância em todo o país. Três destes casos – Schenck, Frohwerk e Debs – chegaram ao Supremo Tribunal, que unanimemente rejeitou a alegação de que a liberdade de expressão tinha sido violada. Assim, foi um início pouco auspicioso da Primeira Emenda tal como a conhecemos hoje.

Embora o tribunal não tenha chegado a um resultado favorável à liberdade de expressão tal como o conhecemos hoje, um parecer do Juiz Oliver Wendell Holmes afirmou que a Primeira Emenda protegia o discurso contra a intervenção do governo até que houvesse um perigo claro e presente. Os júris nesses casos puderam encontrar um, e foi por isso que afirmaram as condenações, mas a norma tomou forma como uma declaração potencialmente forte sobre a Primeira Emenda, no sentido de que o governo tinha agora um fardo para provar aos júris e tribunais que havia um perigo claro e presente, caso contrário não poderiam suprimir o discurso. A Holmes juntou-se então um novo juiz, Louis Brandeis, e juntos escreveram, numa série de opiniões, algumas das mais eloquentes, poderosas e persuasivas defesas da liberdade de expressão e da liberdade de imprensa. Enquanto estiveram em desacordo nesses primeiros anos, na década de 1920, a sua opinião acabou por levar o dia.

O que pensa que os Framers pensariam sobre a relação entre o Presidente dos Estados Unidos e a imprensa de hoje?

É difícil saber o que os Framers pensavam, mas se tomarmos a soma da história dos E.U.A. temos de estar realmente desanimados e profundamente preocupados com a forma como a liberdade de expressão e a imprensa livre estão a ser faladas hoje por muitas pessoas nesta sociedade, mas pelo Presidente em particular. Haverá sempre infelicidade de ambos os lados, devido ao facto de a imprensa não ter acesso à informação e de o governo sentir que não tem capacidade para funcionar eficazmente. atingiu um nível de desrespeito pelos princípios básicos da liberdade de expressão e da imprensa livre que é alarmante. Há muitas maneiras de um governo exercer censura. Uma delas é fazer uma lei, mas há muitas mais formas subtis em que se podem realizar formas muito semelhantes de censura. O ataque à imprensa, o incitamento à intolerância na sociedade para com outros pontos de vista e para com a imprensa, é em si uma forma de censura.

Como evoluiu a interpretação da Primeira Emenda desde 1919?

Teve alguns resultados mistos até aos anos 50. Por vezes o tribunal era muito protector da fala; outras vezes era muito pouco protector da fala. Há maravilhosas decisões a favor da liberdade de expressão nos anos 30, algumas na década de 1940. O famoso exemplo dos anos 50 envolve a era McCarthy e os esforços do governo para perseguir as pessoas que se acreditava terem opiniões comunistas, por isso há uma espécie de subida e descida.

Então tudo mudou nos anos 60, em particular com o New York Times v. Sullivan; esse caso sustentava que um cidadão não pode ser processado por difamação ou difamação por um funcionário público por falsidades que o cidadão possa ter expressado, a menos que o funcionário público possa mostrar que o cidadão fez essas falsas declarações com conhecimento de causa ou em desrespeito imprudente pela verdade. Isto foi muito importante para estabelecer o direito dos cidadãos a criticar os funcionários públicos. Mas o mais importante foi que estabeleceu uma teoria ampla de liberdade de expressão que era altamente protectora. Assim, quando eu disse que as pessoas pensam que temos a Primeira Emenda por causa da soberania que reside na cidadania, essa ideia foi expressa no New York Times v. Sullivan de uma forma muito eloquente. E durante os últimos 50 anos, mas apenas 50 anos, tivemos um princípio robusto de liberdade de expressão na imprensa. A jurisprudência e a liberdade de expressão e de imprensa, tal como desenvolvida a partir do New York Times v. Sullivan, é um dos grandes bens públicos que os EUA têm oferecido ao mundo.

O que pensa que está à frente para a Primeira Emenda?

Existe uma visão da Constituição dos EUA que deve ser interpretada de acordo com a intenção original dos Framers, mas o facto da questão é, sabemos praticamente muito, muito pouco sobre o que os Framers pensavam que estes termos gerais deveriam significar. A Primeira Emenda diz: “O Congresso não fará lei… abreviando a liberdade de expressão, ou da imprensa”. Isso é muito, muito geral. O que é a liberdade de expressão? Penso que eles não disseram deliberadamente porque isso tem de ser interpretado para cada nova geração. Penso que a única coisa que os Framers achariam angustiante seria se todo o projecto fosse abandonado. É nossa responsabilidade continuar a desenvolver isto de forma responsável.

Como vamos lidar com as novas tecnologias das comunicações, a Internet e as redes sociais? O discurso destrutivo está nas plataformas dos meios de comunicação social. Há uma década atrás, pensava-se que os mesmos meios de comunicação eram a resposta final a um mercado aberto de ideias, e a realização final da liberdade de expressão, porque agora todos podem falar. Temos de compreender os argumentos a favor da protecção e temos de estar abertos aos argumentos contra a protecção. O Supremo Tribunal tem duas decisões que se encontram diametralmente opostas; em 1952, o Supremo Tribunal disse que o Illinois podia punir alguém por discurso racista que aconteceu nesse caso, e depois, em 1968, em Brandenburg v. Ohio, o Supremo Tribunal chegou a um resultado diferente, dizendo que uma reunião do Klan que incluía potenciais ameaças contra negros e judeus era discurso protegido. Brandenburg ganhou o dia, mas essa questão continua a ser motivo de debate.

Qual deve ser a questão da história da Primeira Emenda ao Dia Mundial da Liberdade de Imprensa?

As questões sobre um desenvolvimento global de normas de imprensa livre que possamos viver são extremamente importantes. O assassinato de Khashoggi deve ser considerado não só como uma violação dos direitos humanos internacionais, mas também como uma questão directa da Primeira Emenda. É discutível que tenha sido assassinado devido ao que dizia no Washington Post. Ele era um residente americano protegido pela Primeira Emenda no que dizia, e um governo estrangeiro alegadamente provocou o seu assassinato devido a essas declarações. Dado o facto de termos agora um mundo economicamente mais interligado, o mundo está muito mais integrado. Todos vivemos mais próximos uns dos outros e existem questões globais que só podem ser decididas numa base global.

Write to Olivia B. Waxman at [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *