Ellis Island Welcomed Milands to America-But It Was Also a Detention Center

Uma família imigrante na doca da Ilha Ellis, N.Y., olhando para a linha do horizonte de Nova Iorque enquanto esperava o ferry para os levar para lá, em 1925. – Bettmann Archive/Getty Images

Uma família de imigrantes na doca de Ellis Island, N.Y., olhando para a linha do horizonte de Nova Iorque enquanto esperava pelo ferry para os levar para lá, em 1925. Bettmann Archive/Getty Images

Por César Cuauhtémoc García Hernández

1 de Janeiro de 2020 11:00 AM EST

Cada ano, cerca de 4 milhões de pessoas visitam a estação de imigração da Ilha Ellis, vagueando pelos terrenos do museu e olhando para a estátua da liberdade que se encontra nas proximidades. Mas a experiência actual de visitar a pequena mancha de terra ao largo da ponta sul de Manhattan é muito diferente do que Ellen Knauff viu lá em 1948. “O lugar inteiro o aspecto de um grupo de canis”, escreveu ela nas suas memórias anos mais tarde.

Nascido na Alemanha, Knauff passou parte da Segunda Guerra Mundial a trabalhar para a Força Aérea Real do Reino Unido e mais tarde para o Exército dos Estados Unidos. Após a guerra, casou com Kurt Knauff, cidadão americano e veterano do Exército estacionado na Alemanha. Recentemente casada, viajou para os Estados Unidos pela primeira vez em 1948, planeando beneficiar de uma lei especial de imigração promulgada pelo Congresso para facilitar o regresso dos soldados a casa com os seus novos amores.

Em vez disso, Ellen foi saudada pela dura realidade da prisão de imigração de Ellis Island. Hoje em dia, a maioria das pessoas pensa em Ellis Island como o lugar que acolheu gerações de recém-chegados. Isto é certamente verdade. Pensa-se que cerca de 12 milhões de pessoas pisaram pela primeira vez nos Estados Unidos através dos escritórios de imigração da ilha, que abriram em 1 de Janeiro de 1892. Mas em 1907, o seu ano mais movimentado, um em cada dez passageiros que chegavam à ilha de Ellis experimentava a ilha como um obstáculo em vez de uma porta aberta, passando dias ou meses presos dentro do centro de detenção.

“Ao aproximarmo-nos da ilha de Ellis, pude ver que partes dela estavam fechadas por cercas de arame duplo encimadas por arame farpado e marcadas pelo que parecia ser torres de vigia. Estas áreas vedadas foram subdivididas por mais vedações”, recordou Knauff. “Chamei à Ilha Ellis um campo de concentração com calor de vapor e água corrente”, acrescentou ela, pedindo emprestado uma linguagem que o New York Times tinha usado vários anos antes, quando as instalações tinham pessoas de ascendência italiana, alemã e japonesa durante a guerra.

Knauff fazia parte dos 10% que ali ficaram presos. Depois de ter chegado a Ellis Island, apesar do seu marido americano, não lhe foi permitido continuar nos Estados Unidos.

p>Coloque a sua história num só lugar: inscreva-se no boletim semanal TIME History newsletter

Os funcionários da imigração recusaram-se a dizer a Knauff porque é que ela não podia partir. Afirmaram que a sua presença nos Estados Unidos ameaçava a segurança nacional, mas recusaram-se a revelar as suas provas. Insistente, Knauff lutou até ao Supremo Tribunal. Aí ela recebeu pouca simpatia. Os juízes concederam ao governo federal amplos poderes para manter as pessoas afastadas. “Seja qual for o procedimento autorizado pelo Congresso, é um processo justo no que diz respeito a uma entrada negada a um estrangeiro”, o tribunal anunciou em Janeiro de 1950.

Com a aprovação judicial, os funcionários da imigração mantiveram Knauff em Ellis Island enquanto ela montava uma campanha de relações públicas. Algumas vezes, ela ganhou alívio temporário do confinamento, apenas para ser devolvida à prisão da ilha meses mais tarde. No total, Knauff passou lá quase dois anos presa. Por fim, convenceu os funcionários da imigração a dar-lhe uma audiência onde ficou a saber porque é que ela era tão ameaçadora para os Estados Unidos. Testemunhas afirmaram que ela era uma espiã comunista, uma acusação poderosa nos primeiros anos da Guerra Fria. Sob a luz anti-séptica da transparência, as alegações do governo revelaram-se demasiado frágeis para continuar a confiná-la. Os funcionários da imigração não tinham agido mais do que “rumores, não corroborados por provas directas”, concluiu a comissão de recurso em matéria de imigração. Ellen Knauff finalmente saiu definitivamente da ilha em 1951.

Até 1954, apenas três anos mais tarde, o Presidente Dwight Eisenhower estava pronto para impulsionar a aplicação da lei da imigração numa nova direcção radical. Nesse ano, a Administração Eisenhower decidiu encerrar seis instalações de detenção de imigração, incluindo a de Ellis Island. “Hoje a pequena ilha entre a Estátua da Liberdade e a linha do horizonte e cais de Nova Iorque parece ter servido o seu propósito”, anunciou o Procurador-Geral de Eisenhower, Herbert Brownell, a 11 de Novembro de 1954. Em vez de operar grandes prisões de imigração, o governo federal faria do confinamento a excepção e não a regra. Como os funcionários decidiam se os imigrantes eram deportáveis, deixariam as pessoas viver onde quisessem, misturando-se em comunidades. Este “é mais um passo para uma administração humana das leis de imigração”, continuou Brownell.

p> Poucos dias depois, a última pessoa detida na Ilha Ellis, Arne Peterssen, partiu num ferry em direcção a Manhattan. Uma reportagem jornalística na altura descreveu-o como “um marinheiro norueguês que tinha ultrapassado a sua licença de costa”. O governo dos Estados Unidos sabia que ele tinha entrado no país com permissão para ficar temporariamente e sabia que ele não tinha saído. Peterssen era tão deportável como se tivesse vindo para os Estados Unidos sem a autorização do governo. No entanto, funcionários da imigração libertaram-no para a azáfama de Nova Iorque. Ainda não está claro o que lhe aconteceu depois disso. Não sabemos se ele deixou os Estados Unidos, se ficou em Nova Iorque, ou se se dirigiu para outro lugar do país. Tudo o que sabemos é que os Estados Unidos decidiram que a violação da lei de imigração por um imigrante não era motivo para o prender.

Dificuldade como é hoje em dia acreditar, o governo dos Estados Unidos aproximou-se notavelmente da abolição das prisões de imigração, mesmo com as memórias da guerra ainda frescas e o início da Guerra Fria. Durante os próximos 25 anos, a política federal não iria mudar. Se a ameaça da força militar soviética e o campo febril das lutas ideológicas da Guerra Fria não foram suficientes para impedir Eisenhower de encerrar as prisões de imigração, o que nos impede agora?

– A Nova Prensa
A Nova Prensa

César Cuauhtémoc García Hernández é o autor de Migrating to Prison: America’s Obsession with Locking Up Immigrants and an associate professor of law at the University of Denver.

Contacte-nos em [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *